Sínteses de oito upanishads: uma visão do que elas ensinam sobre o YOGA

Esta nova iniciativa editorial representa a continuidade do esforço pessoal de leitura, reflexão e aprendizado sobre textos clássicos do VedantaAdvaitae do Yoga. Longe de estar finalizado a ponto de abandonar todos os conceitos e definições serve, contudo, de base para a evolução espiritual, nesta ou em outras existências, mesmo que esta esteja apartada da relação professor-discípulo tradicional. Sem o domínio de inglês, francês ou alemão, línguas de traduções mais seguras desde o sânscrito e completamente analfabeto na língua dos Vedas, agradeço ao professor Carlos Alberto Tinoco que tem traduzido as Upanishads para o português, mas, agradeço, sobretudo, por permitir que eu esteja sempre por perto, recebendo orientações e instruções. Igualmente agradeço aos professores Pedro Kupfer e Glória Arieira os quais oportunizam momentos para que eu sente e ouça seus comentários que apontam para os ensinamentos vedantinosióguicosque ilustram a não-dualidade.

A primeira iniciativa foram sínteses ilustradas de nove das principais Upanishads, utilizando uma metodologia sugerida por Tinoco contida no seu livro publicado em 1996, em São Paulo, pela IBRASA. Nesta organizei sínteses elaboradas mais livremente de oito Upanishadsassociadas ao Yoga, cujo livro foi publicado também por Tinoco em 2005, de novo em São Paulo, mas agora pela Madras. Todas as traduções e comentários de Tinoco estão baseadas nas de Jean Varenne contidas no livro UpanishadsduYoga, publicado em Paris, pela Gallimard, em 1971.

As sínteses foram elaboradas após a leitura da cada Upanishadentre 2011 e 2012, cuja compreensão, ainda que limitada, foi ampliada com a releitura, sínteses e compilações de cada uma delas entre 2015 e 2016. Todas as sínteses foram atachadas isoladamente no mural do facebook deste autor. A base das sínteses, claro, são os comentários contidos no próprio livro de Tinoco, aqui, acolá ensaiando um sinônimo, adicionando um conceito ou correlacionando ensinamentos minimamente apreendidos. À medida em que sintetizava, rearranjando os comentários originais, ensaiava mais e mais, tanto que, quatro sínteses são mais ilustradas do que as outras quatro, inclusive, chegando a propor categorias de enquadramento de versos para fins de análise e interpretação.

Embora as Upanishadsdo Yogaapontem algumas vezes para a perspectiva dualista, acredito que não haja conflitos com a identidade AtmanBrahman, com a qual desejo ardentemente me identificar, enquanto processo de realização da liberdade e imortalidade. A dualidade e a não-dualidade constituem, na minha opinião, apenas um conflito aparente, como que duas faces de uma mesma moeda. Idem para perspectiva da ressurreição e reencarnação, cuja ideia veio com a oportunidade de ouvir e ler Jean-Yves Leloup, especialmente o seu livro Além da Luz e da Sombra: sobre o viver, o morrer e o ser, publicado em Petrópolis/RJ, em 2001, pela Editora Vozes. Tudo, para ele, é uma questão de velocidade, com o que concordo. Mas, como dizem os budistas tibetanos, podemos esperar eternamente até que todos os seres sencientes estejam despertos. Vale o que o coração propõe ou mesmo exige como o caminho, que cada qual poderá ou deverá seguir.

AHamsaUpanishadilustra magnificamente essa identidade, ao afirmar que a respiração representa o pássaro que deseja a liberação, sendo testemunhado pelo Ser, com o qual, segundo o Vedanta, devemos nos identificar. Para o Vedanta, já somos livres de limitações. No momento certo, conveniente e oportuno, aquele que pulsa sem conseguir alçar voo se dará conta que é o mesmo que observa, que se mantém em estado puro e absoluto. Esse é o caminho diamantino, célere, pois aqui e agora podemos nos entender como livre de conflitos; quiçá de forma definitiva como os sábios. Apesar da tecnologia de realização, acredito, contudo, que tudo dependa da graça. Vejamos o que diz seus versos 3-7:

Esta Verdade é secreta, não se deve divulgá-La, pois eu a reservo ao yoginperfeito cujo Yogafez um porta-joias, digno dos tesouros mais lindos. Este é o verdadeiro conhecimento do Pássaro Migrador, e por ele se obtém a liberdade para sempre!

Portanto, eu vou te dizer o que é esta doutrina e o que é o Pássaro Supremo, pois tu és um noviço mestre de si mesmo e devotado ao estudo: o ensinamento sobre o qual é preciso meditar, mais e mais, é sobre o Pássaro, repetindo sem cessar: “o Pássaro!” “o Pássaro!”.

Ele entra em todos os seres, o Pássaro Migrador, e torna-se presente neles como o fogo nas varetas de atritar, ou como o óleo no sésamo. Saber isso é vencer a morte.

yogin, em primeiro lugar, assume a Postura de Lótuse retém o ar que inspira. Comprimindo em seguida o ser ânus com o calcanhar esquerdo, ele faz subir o alento a partir do Centro da Base até a Porta das Joias, não sem ter conduzido o ar de volta por três vezes em torno do svadistana. De lá o ar sobe até o anahatae o trespassa atingindo visudhaque flanqueia as amígdalas semelhantes aos testículos. Retendo sempre o alento, o adepto conduz o ar inspirado até o ajnachakrae o Brahmarandra; ele realiza enfim o que é o Atmantrinitário SatChitAnanda, situado além de toda forma.

Ele é o Pássaro Supremo, resplandecente como a luz de dez milhões de sóis e pelo qual todas as coisas foram permeadas.

Esses versos além de apontar para a associação entre professor-aluno, via segredo, destaca a vedete do HathaYoga, que é a kundalini. A União do fogo com o alento conduzido pelo canal central até da realização ShaktiShivaé a alegoria mais bela do Yogapara representar a liberdade e a imortalidade. Porém, assim como o samadhi, não importa se será possível realizá-la, nem mesmo se deve ter apego à prática que direciona nesse sentido. Tudo depende de mérito, e de muita saúde. Não à toa Patanjalijá assegurava essa dependência do Yogaeficaz, eficiente e efetiva desde a saúde plena.

Mas podemos e devemos avançar devagar, dominando a respiração, não no sentido da sua restrição, mas no da sua ampliação. Fatores correlatos podem e devem ser adotados como as posturas, as contrações musculares, os gestos de poder e os cânticos sagrados, os quais estão ancorados na ética ióguica. De novo: Patanjali. Mas tudo isso e muito mais as Upanishadsdo Yogaregistram na forma de ensinamentos que conferem toda uma prática. A grande base é o processo tríplice de concentração-meditação-contemplação, abstraídos os sentidos, progressivamente.

Contudo, se apontei para Patanjali, também poderia apontar para os clássicos HathaYogaPradipikaGherandaShamhitaShivaSamhitaGorakshaShatakaque igualmente ilustram e ensinam acerca da necessidade de dominarmos pranayamasasanasbandhasmudrasdharanadhyanamantras, praticados desde a purificação do corpomente, além da adoção de ética. Certamente, há uma forte correlação entre esses clássicos e as Upanishadsaqui sintetizadas e compiladas. O conjunto da ópera representando um estilo de vida como defendem Kupfer e Arieira, que pode e deve ser adotado na busca do autoconhecimento.

Essa abordagem é para justificar, no meu entendimento, a adjetivação de Upanishadsdo Yoga, apesar da tradição dizer, simplesmente, que Upanishadé Upanishad. Acredito que a categorização, como propõe Tinoco, é possível. Selecionamos três trechos para consubstanciar e ratificar essa opinião:

Da Yogatattva:

Sozinho, em seu retiro, será bom praticar a repetição constante do Om, com alongamento da vogal: assim apagará os pecados antes de dedicar-se ao Yoga.

Om, com efeito, livra do Mal e destrói os empecilhos sobre o caminho do Yoga; é por isso que a repetição constante do monossílabo sagrado é uma prática eficaz para quem deseja avançar no Yoga.

Da Amritabindu:

É preciso, pois, combinar a prática dedicada do Yogacom a enunciação da sílaba Om, ainda que o silêncio produza na realidade um benefício muito maior: porque, quando não se mantém o silêncio completo, não se busca o aniquilamento: e é ao Ser que se visa!

É isso, isso somente, Brahmansem divisão, nem atributos. E quando o yoginreconheceu que ele mesmo é Brahman, realizou para sempre Brahman.

Da Ksurika:

Tendo dominado seu espírito graças ao ardor do seu Yoga, tendo rejeitado todo apego, conhecendo a fundo o Yoga, o yoginconsciente consegue, em sua solidão, ficar livre dos desejos.

Como um pássaro preso numa rede, voaria para o céu após haver cortado os fios, o Atmando yogin, libertado das malhas do desejo pela navalha do Yoga, escapa para sempre da prisão do samsara!

De igual forma, encontramos trechos que utilizam a mesma estratégia de evolução espiritual de Patajanli, o organizador e sistematizador do Yoga, com sugestão de etapas ou passos para serem seguidos e/ou observados, sem que haja, contudo, um pré-requisito entre um e outro:

Na Amritanada:

Esta Retirada dos sentidos é a primeira das seis etapas que conduzem à realização do Yoga; as cinco outras são a Meditação, a Retenção da Respiração, a Atenção Concentrada, a Fidelidade à Tradição e o Êxtase Final.

Na Yogatattva:

E agora o HathaYoga: as oito etapas que ele comporta são: os refreamentos e disciplinas, as posturas e o controle do alento, a retenção dos poderes sensoriais e a fixação do pensamento e, por fim, a meditação profunda e o êxtase final.

Na Dhyanabindu:

Posturas, retenção da respiração, retração dos sentidos, atenção concentrada, meditação, êxtase final, tais são as seis etapas do Yoga.

Para entregar as sínteses e as compilações, bem como o apêndice, com duas reflexões elaboradas durante o Curso Livre de Formação em Yoga, sob a responsabilidade de Pedro Kupfer, que abordam, respectivamente, a mais nobre das posturas frente a mais nobre das ferramentas do Yoga e a mais nobre perspectiva de vida secular frente ao mais nobre espaço divino do corpo humano, devo registrar uma possível correlação das Upanishadsdo Yogacom o tantrismo. Para tanto, elaboro uma adaptação dos apontamentos contidos na Enciclopédia de Yoga, publicado pela editora Pensamento, em São Paulo, em 2005, de autoria de Georg Feuerstein:

Tantrismo, cultura e filosofia religiosas expostas nas escrituras conhecidas como Tantra. Os Tantrasse propõem a expor um novo ensinamento ou revelação, especialmente condizente com a idade das trevas. Devido à sua longa história e grande diversidade nas dimensões práticas e doutrinárias, é muito difícil definir o Tantrismoe até mesmo generalizar sobre ele. Mas pode-se dizer que o pivô da maioria das escolas tântricas é a ideia de Shakti, o princípio feminino da existência cósmica, a Deusa. O tantrikaou sadhakarecorre a esse princípio na busca da libertação. Isso se expressa não só nas cerimônias de adoração exterior ao Divino feminino, mas também nos rituais interiores ou simbólicos, principalmente no kundaliniyoga, que contém instruções acerca do processo esotérico para ativar a kundalinishakti, crucial no caminho espiritual doTantrismo.

A convergência da perspectiva mágica e esotérica expressa pelas Upanishadsdo Yogapode ser conferido pela unificação do Pranacom a Kundalinivis-à-vis Brahman, num trecho da DhyanabinduUpanishad, abaixo consolidado:

Pranaempurra para frente, apoiando-se sobre o Apana, e este empurra para trás, apoiando-se sobre o Prana. Como um pássaro puxa o fio ao qual está ligada, a alma puxa para frente, mas é puxada para trás pelo mesmo fio; quem sabe isso, conhece o Yoga. O Pranasai fazendo “Ham”; o Apanasai fazendo “Sa”. Assim, a alma individual repete sem cessar a fórmula segreda “HamsaHamsa!”. Sim, de noite e de dia, sempre a alma diz e rediz em voz baixa, vinte e uma mil e cem vezes esta fórmula que pode ser medida embora ela seja indistinta; por ela os yoginssão libertados: basta tomar consciência dela para ser libertado de todo pecado. Nunca houve nem haverá jamais conhecimento semelhante a este, fórmula semelhante a essa, santidade semelhante a essa. O caminho pelo qual se vai até o paraíso de Brahman tem sua porta obstruída pela cabeça da deusa adormecida; despertada pelo Yogaque une o fogo ao espírito e ao ar, ela se eleva pela Sushumna, penetrando seu corpo de serpente como uma agulha penetrada pelo fio; e do mesmo modo com o se faz abrir uma porta com a ajuda de uma chave, o yogin, pela kundalini, faz abrir-se a porta da Libertação.

Para tanto, a YogakundaliniUpanishadpropõe três passos:

Atinge-se isso em três etapas: primeiro, por uma dieta atenta, depois, por posturas apropriadas, e, por fim, pelo despertar da Potência. Escute, Gautama, o que eu vou ensinar-lhe sobre essas três etapas.

Agora entregando efetivamente o livro para leitura, que representa, como disse no início, tão somente um esforço intelectual vertido para o estudo com o mérito disponível, ratifico que ele está associado, malbaratando uma comparação com a formação educacional, cuja trajetória vai até a livre docência, com o jardim de infância. Mas o esforço é legítimo e intenta contribuir para a atração de novos buscadores da Verdade, com uma linguagem simples e coloquial que procura deixar o caminho aberto para novas investidas daqueles que possam se interessar pela temática que interage com o estilo de vida que o Yogaproporciona.

Antônio José Botelho

Acesse este livro em Clube de Autores

Livro Relacionado